4 de ago de 2017

KOBRA AND THE LOTUS: Kobra Paige - "Eu não acredito que o rock ou o metal tenham morrido e eu certamente não acredito que isso aconteça."

KOBRA AND THE LOTUS é uma banda Canadense em ascensão, que vem chamando a atenção do público europeu e americano por sua música e atitude, mas acima de tudo, por sua autenticidade. A banda já tocou nos principais festivais de Metal pelo mundo e com as maiores lendas do PlanetRock.

A banda também lançou o novíssimo "Prevail I", um álbum que traz uma sonoridade mais moderna e robusta. Pra conversar sobre tudo isso e saber mais sobre a banda, entramos em contato com a  líder e talentosíssima vocalista do grupo, KOBRA PAIGE. Confira esta interessante entrevista:


HEAVYNROLL - Tudo bem KOBRA? Gostaria de começar agradecendo esta oportunidade e dizer que estou muito feliz de poder entrevistar você.

KOBRA - Estou ótima! Muito obrigada pelo contato e pela paciência por esta entrevista.

HEAVYNROLL - Acho incrível o que o KATL já conquistou em 5 anos. Lendo sobre a história do grupo, vocês já tocaram com muitas bandas lendárias e também nos principais festivais de Heavy Metal que existem no Mundo. Vocês devem estar vivendo um grande sonho. Como tem sido essa jornada PAIGE?

KOBRA - Muito obrigada, foi uma jornada maravilhosa e colorida, com certeza. Na verdade, estamos entrando no 9º ano de turnê com essa banda e quando olho para trás, fico tão agradecida com as oportunidades que recebemos. Algumas dessas bandas eram heróis de infância para nós! Nós também aprendemos muito e evoluímos por causa dessas experiências, excursionando com bandas diferentes e testemunhando suas performances. No final deste ano, teremos excursionado e apoiado: Def Leppard, KISS, Black Label Society, Judas Priest, Steel Panther, Sonata Arctica, Stratovarius, Fear Factory, British Lion, Soulfly, Cavalera Conspiracy, Kamelot, Delain, Xandria, Buck Cherry, Demon Hunter, Amaranthe e Beyond the Black. Isso é gigantesco, agora que eu olho para tudo isso!!!

HEAVYNROLL - Dentre estas bandas que o KATL dividiu o palco, quais foram as mais marcantes para vocês? E quais os festivais mais insanos que vocês tocaram?

KOBRA - Todos eles foram experiências muito positivas para nós, mas o show em Nashville, com KISS e DEF LEPPARD, se destaca. Era uma arena com capacidade total para 20.000 roqueiros gritando enlouquecidamente, a energia era imensa!!!

A primeira vez que pensei: "agora sim é uma máquina bem engrenada", foi quando viajamos com o STEEL PANTHER. O show deles é frenético, eles são ótimos músicos, e ganhei um enorme respeito por eles nessa turnê. Eu poderia te contar uma coisa maravilhosa sobre cada experiência que tivemos compartilhando o palco com alguém especial!

Já o festival mais insano foi provavelmente o Graspop na Bélgica. Eles nunca nos decepcionaram! Mesmo às 11 da manhã, o público estava lotado e pronto para enlouquecer conosco!!

HEAVYNROLL - Pra quem acompanha a banda há algum tempo, como eu, ao ouvir “Prevail I” pela primeira vez a reação é de “choque”.  A sonoridade da banda mudou muito comparado ao que vinha sendo feito. Longe de ter ficado ruim, ficou diferente e até interessante. Como você vê essa mudança e como tem sido a recepção deste álbum por parte dos fãs?

KOBRA - Isso é muito interessante de ler! Até agora, tivemos a sorte de ter recebido as melhores reações possíveis. A principal coisa que notamos é que este álbum é mais agradável e inclusivo para que mais pessoas em geral gostem e isso foi realmente importante para nós. As mensagens contidas nele são de esperança, ainda mais do que nos álbuns anteriores.

HEAVYNROLL - Na verdade, vocês já tinham dado uma dica de como soariam ainda no “Words of Prophets” EP (2015)... E falando deste EP, como foi a escolha dos covers, já que o tracklist é bem eclético. Quem ouviu o “High Priestess” esperava covers de JUDAS PRIEST, IRON MAIDEN, KISS e outros grande nomes do Heavy Metal, porém, temos BTO, HUSH... Eu achei fantásticas as versões. Foi mesmo para sair do óbvio ou do clichê?

KOBRA - Sim! exatamente!! As pessoas esperavam o heavy metal tradicional de nós e é fácil para nós fazer isso, mas estamos nos tornando muito rotulados com algo que já foi feito e sim, teria sido um clichê. Classic Rock foi a primeira influência para mim antes do heavy metal e todos nós crescemos ouvindo essas músicas durante nossa infância. São músicas que fazem as pessoas se sentirem bem. Você pode toca-los no carro e pegar a estrada com o cotovelo na janela, sorrindo. 

HEAVYNROLL - A produção do álbum está incrível! Trouxe toda a potência “para fora”, temos uma banda robusta e moderna. Você está satisfeita com o resultado? Fale mais sobre o processo de produção de “Prevail I”

KOBRA - Muito obrigada por essas amáveis palavras! Sim, estamos muito satisfeitos!! JACOB (Hansen, produtor) é conhecido por esse mix de robusto e limpo do qual você fala e é exatamente por isso que fomos até ele. Sua produção permite um som grandioso com espaço suficiente para ouvir todas as nuances, instrumentos, vocais e som. Há uma clareza nas camadas sonoras. Ele também foi minha experiência de gravação vocal favorita, não tenho certeza de como gravarei sem ele novamente!



HEAVYNROLL - Sabemos que teremos um “Prevail II” no final do ano. O que você pode adiantar sobre este novo álbum? Teremos uma sequência – já que formarão um álbum duplo - ou seremos mais uma vez surpreendidos pelo KOBRA AND THE LOTUS?

KOBRA - Sim! Esta é a outra metade do álbum duplo. Originalmente, ambos os álbuns deveriam aparecer juntos como um grande trabalho. A ordem das músicas foi decidida depois de todo trabalho ter sido composto. "Prevail I + II" são álbuns completos que carregam o mesmo tema liricamente, em torno da experiência humana. Tem igual dosagem de heavy metal e hard rock, mas não tem músicas que se pareçam ou mesmo são como o último álbum. Sim, você terá novas surpresas em 'Prevail II'!!

HEAVYNROLL - Vejo em suas letras nos, nos álbuns anteriores, uma mistura de misticismo, fantasia e, em algumas, uma crítica ácida a realidade, tudo com uma abordagem muito poética. Quais foram suas inspirações na hora de escrever para este novo trabalho?

KOBRA - Neste, as letras deveriam ser expressões muito diretas. As letras são mais vulneráveis e foram despojadas da fantasia. Para ser muito clara, minha intenção era expor a divulgação das pessoas, não apenas para mim ou para a banda, mas para o outro. Espero que se relacionem uns com os outros com a música, cultivará mais esperança e força, além de sentir-se menos sozinho nos obstáculos da vida.


HEAVYNROLL - O Lendário GENE SIMMONS afirmou, há pouco tempo, que “o rock morreu”. Na minha visão, o que morreu foi o “negócio rock”, o “rock star” e não o rock em si, já que ainda temos novas bandas surpreendendo por aí. Sei que GENE teve um papel importante no início do KATL, mas gostaria de saber qual é a tua visão testas afirmações, como você vê o atual cenário rock/metal?

KOBRA - Eu não acredito que o rock ou o metal tenham morrido e eu certamente não acredito que isso aconteça. Sempre haverá uma necessidade desses gêneros. Em termos de quão longe irão as bandas mais pesadas... eu não acho que haverá um nível de arena global alcançado para uma banda de metal da geração mais nova porque todos os pioneiros já fizeram isso. Certamente, haverá grandes bandas, sempre! Estou vendo isso com o GHOST, por exemplo. Sempre haverá um grande espaço para o metal, talvez não encha um anfiteatro como o Metallica! (Risos). Mas, uma nova banda de rock que encha uma arena? Sim! Como já vimos com projetos como MUSE, FOO FIGHTERS e KINGS OF LEON, esse mega tamanho ainda pode ser alcançado no rock se o som estiver suficientemente fresco.

HEAVYNROLL -  E o Brazil? Nada ainda em vista para se apresentar por aqui?

KOBRA - Estamos trabalhando muito em algumas datas da turnê da América do Sul para 2018. Nós gostaríamos muito de ir ao Brasil e percebemos que é hora de fazê-lo!!!

HEAVYNROLL - E falando no Brazil, sei que o KATL já dividiu o palco com MAX CAVALERA (Soulfly, Cavalera Conspiracy, ex-Sepultura) e em alguns shows teve o guitarrista BILL HUDSON em seu line-up ao vivo. Tirando estes, você conhece alguma banda ou músico daqui?

KOBRA - Estou muito familiarizada com ANGRA. Eu também acho que KIKO LOUREIRO é um dos melhores guitarristas do nosso tempo e um grande trunfo para a MEGADETH!


HEAVYNROLL - Falando agora sobre KOBRA PAIGE. Na primeira vez que ouvi KOBRA AND THE LOTUS, o  que me chamou atenção, e isso deve ser óbvio, foi a sua voz. Achei incrível a maneira como você constrói as melodias, de como sai do tradicional quando se trata de voz feminina, de sua autenticidade.  Gostaria de saber qual foi a sua formação musical. Como é sua rotina de estudos?

KOBRA - Hmm.. isso é difícil para mim explicar porque os vocais aparecem muito especificamente na minha cabeça quando me sinto inspirada. Cada peça de música tem uma cor e exige uma maneira diferente de pintar a imagem. Eu gosto de fazê-lo usando várias texturas e camadas diferentes. Eu cresci fazendo estudos de música clássica e isso definitivamente influenciou minha técnica de respiração especificamente, mas o resto é apenas minha mente louca ouvindo como eu acho que deveria ser.

HEAVYNROLL - Além da formação profissional, músicos sempre se inspiram em outros músicos, se espelham em alguém para depois construir uma identidade. Quais são as tuas principais influências? Quem foram os teus mestres no Mundo do Rock?

KOBRA - Eu não diria que alguém me influenciou diretamente. Fiquei mais cativado pela energia que algumas pessoas trouxeram à mesa. VIVALDI foi meu primeiro amor musical e ainda é. LED ZEPPPELIN teve esse elemento mágico e atmosférico que foi trazido por toda a banda. Eu tento muito capturar e cultivar nossos próprios momentos mágicos que, com sorte, podem ter um impacto semelhante. JUDAS PRIEST foi a primeira banda que me fez pensar "sim, isso é o que eu quero fazer!". Foi pelo estilo dos vocais, a bateria poderosa e os duelos de guitarras, que criaram uma enorme energia junto com as pessoas. Eu também vi um lugar na música onde eu poderia pertencer com a voz com a qual nasci.




HEAVYNROLL - Em 2014 você foi diagnosticada com a doença de Lyme. Pesquisei sobre ela e é relativamente perigosa, se não tratado corretamente. Como aconteceu e como foi o tratamento?

KOBRA - Isso foi contraído de minha mãe no nascimento e, infelizmente, tem sido algo que a maioria na minha família teve que lidar. Ela contraiu provavelmente na adolescência e teve uma infecção crescente quando engravidou. Lyme é tão nova para ser reconhecida no mundo médico que ninguém durante esse tempo sabia muito sobre seus efeitos. A doença de Lyme pode ficar latente ou em pequenas quantidades dentro do corpo, sem afetar uma pessoa se seu sistema imunológico for forte.

As turnês tem sido um estilo de vida muito difícil e eu já fiquei esgotada uma vez depois de um longo período de viagens. Em 2013, não consegui me recuperar e comecei a ficar muito doente. Minha irmã já estava muito doente por alguns anos, mas foi erroneamente diagnosticada continuamente. Finalmente, ela foi diagnosticada com doença de Lyme e os sintomas na tabela pareciam muito semelhantes aos meus também. Fiz os exames e pouco depois iniciou um protocolo de tratamento. É também por isso que não conseguimos muito do nosso terceiro álbum.

Eu saí do outro lado e estou muito saudável agora, mas tomei antibióticos por alguns anos, sigo um tratamento sério e me foco no meu estilo de vida. Realmente precisa ter mais consciência sobre a doença de Lyme porque é uma questão global que afeta mais pessoas do que jamais poderíamos adivinhar!

HEAVYNROLL - Você se apresentou com a banda KAMELOT como vocal de apoio e em duetos com TOMMY KAREVIK, como aconteceu esta parceira e como tem sido esta experiência?

KOBRA - Em 2015, excursionamos com o KAMELOT pela Europa e, pouco depois, THOMAS YOUNGBLOOD me convidou para visitar os EUA e o Canadá com eles. Foi uma experiência maravilhosa que abriu os meus olhos. Eles são uma banda fantástica com um ótimo show. TOMMY é um vocalista extraordinário e estava no ponto em todas as noites. Devo dizer, gostei muito de estar no background, ao contrário de estar na frente!!! Aprendi muito fazendo parte da banda e realmente gostei de me harmonizar com a linda voz de TOMMY. O som de uma voz masculina e feminina em conjunto é muito agradável.


HEAVYNROLL - Antes de um show, alguns músicos, principalmente cantores, ficam em completo silêncio, outros ficam sem comer, outros tem manias e outros ainda, bebem bastante (risos). Você segue algum tipo de ritual antes de subir no palco? Como é sua preparação?

KOBRA - Eu preferiria ficar em silêncio, mas eu geralmente organizo as viagens, as mercadorias e faço algumas entrevistas! Para mim, falar esgota mais a voz. Em termos de aquecimento, geralmente faço exercícios vocais, especificamente nas minhas áreas de fraqueza, duas horas antes do show. Também cantarei as áreas mais desafiadoras das músicas para mim, desde que minha voz esteja suficientemente descansada. Se a minha voz estiver cansada, só vou fazer dez minutos de vocalizações através de Lax Vox*. Não vou cantar até o show. Eu acho que aquecer algumas horas antes me dá tempo suficiente para que a laringe relaxe de volta e me sinta bem na hora do show.
*NE: Lax Vox é um aquecimento vocal que consiste em assoprar através de um canudo em um recipiente com água enquanto vocaliza e solfeja notas. Veja neste VÍDEO

Conhecendo mais sobre KOBRA PAIGE


HEAVYNROLL - Quem é Kobra Paige, por você mesma?

KOBRA - Eu sou apenas uma boa menina canadense. Eu só desejo criar uma música legal com outras pessoas boas e encontrar um propósito em trazer algo com boas intenções para o mundo. Adoro animais e crianças.

HEAVYNROLL - Um ditado ou frase que você leva para a sua vida?

KOBRA - Nós podemos fazer o nosso melhor e o nosso melhor sempre será bom o suficiente. Viva uma vida de boas intenções.

HEAVYNROLL - Seus álbuns favoritos?

AVENGED SEVENFOLD - Waking the Fallen
PORCUPINE TREE – Anesthetize
SKID ROW - Youth Gone Wild
FLEETWOOD MAC - Rumours

HEAVYNROLL - Um show inesquecível?

KOBRA - Moscou, Rússia com Metal All Stars em 11 de abril de 2014.

HEAVYNROLL - Um momento marcante?

KOBRA - No momento em que conseguimos nosso primeiro contrato de gravação real com a Universal Music Canada. Eu pensei ... Isso é real?!

HEAVYNROLL - Qual a sua visão do Mundo em que estamos vivendo hoje, na questão política e humana?

KOBRA - Eu acredito que o mundo está cheio de escuridão e que sempre foi assim. Eu acho que o mundo está finalmente começando a ganhar mais consciência sobre todas as merdas ruins que estão ocorrendo.

Nada significativo mudou ainda, mas as tragédias e a maneira pela qual a mídia vem compartilhando isso está começando a chamar a atenção das pessoas. Eu ainda acredito que também há muita boa intenção no mundo e cabe a cada indivíduo cultivá-lo por si mesmo e inspirá-lo em outras pessoas. A bondade existe em todos, porque não nascemos corrompidos. Nascemos na corrupção.

Eu não sou política e permanecerei não política no que diz respeito à música. Não é o meu propósito nesta vida.

==================

HEAVYNROLL - Quero agradecer mais uma vez pela atenção KOBRA, em nome do Heavynroll, desejamos muito sucesso e ainda mais reconhecimento em sua carreira. Gostaria que deixasse algumas palavras para os leitores do site.

KOBRA - Muito obrigada por me contatar! Não posso esperar para que KOBRA AND THE LOTUS vá ao Brasil. Fique atento às datas da turnê no próximo ano!!! Agradecemos todo o seu amor e apoio. Horns Up!!

====================

O que KOBRA PAIGE anda escutando?

"Underworld" – SYNPHONY X
"Absolution" – MUSE
"The Passage" – DGM
"The Storm Within" – EVERGREY
"Hosianna" – LARS WINNERBACK