RAMONES - Discografia - Os Melhores e Os Piores

Análise da discografia de uma das maiores bandas de Rock e Punk de todos os tempos!




Os RAMONES surgiram em 1974 e o primeiro álbum, "Ramones", é considerado o primeiro álbum de punk rock da história e saiu em 1976. Ao todo foram 22 anos de carreira, 14 álbuns de estúdio, 4 álbuns ao vivo e uma trajetória repleta de dificuldades, desentendimentos e um reconhecimento tardio. Resumindo, quando eles realmente começaram a ganhar os frutos de sua carreira, quando grandes medalhões da música os colocaram na lista de suas influências (O Motörhead gravou uma música chamada "R.A.M.O.N.E.S"), seu principal integrante, Joey Ramone, o excêntrico vocalista, descobriu que estava doente, em meados dos anos 90 e faleceu em decorrência de um câncer linfático em 2001. Alías, não demorou muito para que Dee Dee Ramone e Johnny Ramone também tivessem fins dramáticos, o primeiro de overdose anos após suas saída da banda (2002) e o segundo de câncer de próstata (2004). Restando apenas o baterista Marky Ramone e o novato na época, CJ Ramone ainda vivos para contar a história. (Recentemente (2014), o primeiro batera, Tommy Ramone, também faleceu).

Mas o legado deixado por esta incrível banda, que praticamente inventou um estilo, com músicas simples, curtas e com letras simplórias, que falavam diretamente ao adolescente, é inegável e imortal.
Nas últimas semanas estive RE-descobrindo esta banda, "desossando" cada álbum como quando tinha 14, 15 anos e muitas memórias vieram à tona, de um período conturbado e importante de minha vida. Ainda tenho alguns deles em vinil guardados.

Como sempre, a analise abaixo, sobre a discografia do grupo, leva em conta meu gosto pessoal e a importância histórica, segundo meu ponto de vista.

Vamos la?

IMPERDÍVEIS

"Rocket to Russia" (1977) - nota 10+++

Pra mim, esse é o melhor de todos, que sintetiza exatamente o que é a banda. Este é o terceiro álbum e o primeiro com uma grande produção, Apesar disso, os timbres dos instrumentos são peculiares e singulares, o que deixa o trabalho ainda mais único. Ele por inteiro é um clássico, quase todas as músicas são icônicas, com "Cretin Hop", "Rockaway Beach", "I Don´t Care", "Sheena is a Punk Rocker", "Teenage Lobotomy", "I Wanna Be Well" e a versão clássica de "Sufin´Bird", entre outras. Isso tudo levando em conta que foi lançado ha apenas alguns meses do segundo álbum. Ainda tenho o Vinil deste álbum.

"Road to Ruin" (1978) - nota 10+++

No ano seguinte, outro petardo!! Neste álbum temos a estreia do grande Marky Ramone na batera. Este trabalho traz uma produção ainda mais apurada e uma banda pisando um pouco no freio, porém sentando mais o braço e com músicas mais melódicas e trabalhadas, inclusive com letras um pouco mais complexas e pesadas do que nos 3 anteriores. Exemplo disso são faixas como "I Just Want to Have Something to Do" e "I Wanna Be Sedated", sem esquecer o ótimo cover de "Needles and Pins", que na versão dos RAMONES se tornou um clássico. Aliás, eles tem esse dom com covers...

"Too Tough to Die" (1984) - nota 10+++

Em 1983 Marky Ramone era demitido por seus problemas comportamentais e com o álcool, além disso, os 3 últimos lançamentos foram fracos, um deles inclusive com um gosto muito duvidoso ("End of the Century" (1980)), e quem assume o banquinho desta vez é Richie Ramone. O resultado então é um som mais cadenciado, com novas abordagens, voltando o peso e alternando agressividade e melodia. "Mama´Boy", "Too Tough to Die", a eterna introdução de shows, a instrumental "Durango 95", a agressiva "Wart Hog" e "Planet Earth 1988", cantada por Dee Dee,, são os grandes destaques.
Uma curioisidade: Durante a produção deste álbum, Johnny Ramone se envolveu em uma briga de bar e ficou entre a vida e a morte em um hospital por dias, obviamente ele se recuperou e a música "Too Tough To Die" ("Muito durão para morrer", em português) foi uma homenagem que Dee Dee fez a Johnny.

"Halfway to Sanity" (1987) - nota 10+++

Que álbum foda! A forma como foi feita a produção sonora deste trabalho o deixou mais denso e pesado, apesar de muitas músicas trazerem a essência da banda, como na agressividade de "Weasel Face" onde Joey abusa nos drives e também o vocal escrachado e podre de Dee Dee em "I Lost My Mind", temos o peso de "Bop `Till You Drop" e as mais melódicas e clássicas como "I Wanna Live" e "Death of Me", que já dão o tom para o grande lançamento que viria à seguir. Este é o terceiro e último com  Richie Ramone nas baquetas.

"Ramones" (1976) - nota 10++
"Leave Home" (1977) - nota 10++

Estes dois álbuns não são nada menos que o começo do punk rock. São álbuns crus, simples e diretos, com músicas curtas e em alguns casos, de uma frase apenas. são tantos clássicos que é até até difícil citar todos, já que uma das características dos RAMONES é ter músicas com em média 2min de duração e, por isso, muitas músicas por álbum. A forma como gravado o "Ramones" é muito interessante, já que guitarra e baixo estão totalmente separados no estereo, com a guitarra do lado direito e o baixo do lado esquerdo. Nele temos o hino " Blitzkrieg Bop", "Beat on the Brat", "Judy is a Punk", a baladinha "I Wanna Be Boyfriend", a hilária "Chain Saw", a pesada "Now I Wanna Sniff Some Glue" (Olha o nome! hahaha),  "53rd & 3rd"... enfim, não tem uma só ruim!
Já "Leave Home" temos "Gimme Gimme Shock Treatment", "I Remember You", a primeira versão de "Sheena is a Punk Rocker", a pesada "Pinhead", e a icônica "Commando".

"It´s Alive" (1979) - nota 10++

Dentre os registros ao vivo, o que eu mais gosto é esse, até mesmo pelo fato de as músicas serem tocadas com maior fidelidade das versões originais, e traz um Joey em plena forma. O repertório é matador, trazendo 28 músicas dos 3 primeiros álbuns,, pois ele foi gravado durante a turnê do "Rocket To Russia" e lançado apenas 2 anos depois. É o último registro de Tommy Ramone na banda.


"Brain Drain" (1989) - nota 10++

Muitos consideram este o maior e mais importante álbum da banda, talvez por ter sido alavancado pelo filme "O Cemitério Maldito (Pet Sematary)", cujo o autor, Stephen King, declarou-se fã da banda na época e a música propriamente dita, "Pet Sematary", que fez parte da trilha sonora se tornou o maior hit do grupo. Aí é uma questão de gosto, a ordem na lista já diz tudo... mas mesmo assim, analisando pelo ponto de vista musical, aqui a banda chega em seu auge no que diz respeito a produção. Com músicas pesadas e bem elaboradas, o trabalho transpira inspiração e maturidade. Tirando o hit, ainda temos grandes petardos, como a icônica "I Believe in Miracles", a pesada "Don´t Bust My Chops" e a trilha sonora de natal "Merry Christmas (I Don't Want to Fight Tonight)". Este álbum marca a volta de Marky Ramone depois de 3 álbuns e um tratamento pelo uso de álcool.

"Loco live" (1991) - nota 10+

Já "loco Live" é uma "pregação de fogo" extrema. Apesar de me incomodar um pouco a velocidade com que algumas músicas são tocadas, e com a performance de Joey em alguns momentos, o trabalho impressiona pela produção e energia. A banda simplesmente não para, acaba uma música e logo vem CJ gritando - "1,2,3,4.." e já saem arregaçando na próxima. E o que é a condução de Marky Ramone??? O cara é um super humano! E isso acontece durante um show com não menos de 32 músicas!
Este álbum marca a estreia o então novato CJ Ramone, na época com apenas 26 anos, que já estava substituindo Dee Dee Ramone desde 1989, entes mesmo de um álbum de estúdio.
Lembro que o "loco Live" se destacou dentre muitos trabalhos lançados neste período, era um álbum indispensável na coleção junto com lançamentos do METALLICA e GUNS N ROSES por exemplo.

"Mondo Bizarro" (1992) - nota 10

Este é o último grande trabalho do RAMONES (Teve mais 2 álbuns depois deste), primeiro de estúdio com CJ Ramone. É um ótimo álbum, o mais bem produzido da carreira, com músicas legais e um cover belíssimo do THE DOORS ("Take it as it Comes") para completar. Ele mantém a mesma pegada dos dois últimos. Os destaques ficam por conta de "Censorshit", o hit "Poison Heart", "Anxiety", Cj aparece cantando na ótima performance de "Strength to Endure" e "Cabbies on Crack". 
Infelizmente, foi nesta época que Joey descobriu que estava doente, mas a banda só ficou sabendo em 1994, quando não deu mais para esconder. A partir daí, o fim estava cada vez mais perto e, com o advento do grunge, a banda desceu ladeira abaixo.

MUITO BONS

"Animal Boy" (1986) - nota 09
"Acid Eaters" (1993) - nota 09
"Pleasant Dreams" (1981) - nota 08
"Adios Amigos!" (1993) - nota 08

BONS

"Subterranean  Jungle" (1983) - nota 07
"Greatest Hits Live" (1996) - nota 07
"We're Outta Here!" (1997) - nota 06

CUIDADO

"End of the Century" (1980) - nota 05

ESQUEÇA

Não chegaram a esse ponto.