25 de maio de 2014

QUEENSRYCHE - Discografia - Os Melhores e os Piores

[ESPECIAL] Por MARCO PAIM


O QUEENSRYCHE começou em 1981 na cidade de Seattle nos Estado Unidos e sua discografia é marcada por variações de estilos sendo quase impossível rotulá-lo. Alguns dizem que é metal progressivo, outros hard rock, o fato que eles já passearam por toda a gama do rock, desde o heavy metal tradicional até o mainstream e um pezinho no grunge. Outra característica importante do RYCHE foram os incríveis vocais agudos de GEOFF TATE, hoje uma das maiores referências vocais do heavy metal, além de sua perfeita performance, também destaca-se o incrível feeling para interpretação das letras da banda, sempre muito inteligentes.
Ele deixou a banda em 2012 depois de uma série de episódios lamentáveis envolvendo inclusive agressão física. Houve também uma briga judicial pelo nome da banda onde, num período curto de tempo, fez com que existisse 2 Queensrÿches, a versão dos remanescentes e a versão de TATE e ambos lançaram álbuns no mesmo ano. Este também está listado abaixo.
Atualmente a banda conta com TODD LA TORRE nos vocais, que não deixa nada a desejar, aliás, lembra muito TATE em sua melhor forma e tem feito um ótimo trabalho nos 2 álbuns que participou até agora.
À seguir os lançamentos por ordem de importância segundo meu gosto pessoal. Confira: 

IMPERDÍVEIS!

"Operation: MindCrime" (1988) - nota 10+++ 

O maior clássico da banda. "O álbum"! Este disco foi o divisor de águas na carreira do grupo e é a "menina-dos-olhos" de GEOFF TATE, que por sua vez, aqui teve a sua melhor performance vocal em toda a sua carreira. Para entender melhor, leia a resenha clicando AQUI.

"Rage For Order" (1986) - nota 10+++

Este álbum tem uma importância significativa na discografia do grupo. Ele faz a transição do "heavy metal tradicional" para algo mais elaborado e experimental, dando inicio ao que viria a ser o chamado "metal progressivo", mesmo que a banda não se encaixe completamente neste contexto. Aqui temos as clássicas "Walking in the Shadows" e "Screaming in Digital", além das incríveis "The Whisper" e "Neue Regel". Esta última com um dos melhores arranjos vocais que já ouvi.

"Empire" (1990) - nota 10+++ 

Ele sucede de forma magistral o maior clássico da banda e também leva o grupo a um patamar maior ainda, e ao mainstream! Quem não lembra de "Empire", e mais ainda de "Silent Lucidity", 2 dos maiores clássicos dos grupo? Além dessas, difícil não incluir as progressivas "Best I Can" e "Anybody Listening". neste álbum também temos uma mudança drástica na forma de cantar de GEOFF TATE.

"Warning" (1984) - nota 10+++ 

Este é o primeiro álbum full-lenght da banda, e é do tempo em que a banda trazia toda a bagagem de influências do heavy metal tradicional. Este álbum é bem ao estilo IRON MAIDEN e JUDAS PRIEST, mas com aquela pitada peculiar que marcaria a banda logo depois. Aqui temos as clássicas "Take Hold of the Flame" e "NM156", além das pesadas "Warning" e "Enforce".

"Promised Land" (1994) - nota 10+++ 

O álbum mais progressivo na carreira do grupo. Aqui a banda traz a sua veia "Floydiana", conceitual, ele foge um pouco do lado comercial do álbum anterior. Alguns acham ele "grunge"... eu discordo plenamente! Na verdade não sei de onde vem isso... Músicas como a enigmática "I am I", a pesada "Damaged" e a maravilhosa "Bridge", fazem dele um dos meus preferidos da banda. 

"Queensryche" (2013) - nota 10++ 

Depois de quase 2 décadas lançando álbuns medianos (com exceção do disco a seguir), GEOFF TATE faz o impensado e deixa o grupo. E agora?? Bem, e agora temos TODD LA TORRE e a volta triunfante aos momentos gloriosos da banda... Leia a resenha clicando AQUI.



"Condition Human" (2015) - nota 10++ 

Como prometido, o QUEENSRYCHE não perde o pique e lança mais um álbum com a nova formação, que conta agora com TODD LA TORRE nos vocais. A produção do álbum desta vez ficou a corgo de CHRIS "Zeuss" HARRIS, que manteve a mesma linha de timbragem do álbum anterior, transportando o ouvinte a uma atmosfera semelhante aos trabalhos do final dos anos 80 e começo dos 90... Leia a resenha completa AQUI.


"American Soldier" - (2009) - nota 10

Cronologicamente falando, este é o melhor álbum da banda depois de "Empire". Um pouco subestimado, ele é um álbum muito bem pensado e com uma produção impecável. Sim, ele é patriótico, mas o QUEENSRYCHE sempre foi uma banda de "entrelinhas", de certa forma, anarquista. Aqui GEOFF TATE entrevistou heróis de guerra, incluindo seu próprio pai, para compor as músicas e obteve relatos em primeira pessoa. Destaques para "Silver", "Hundred Miles Stare" a pesada "A Dead Man´s Words", "The Killer" e a maravilhosa balada "If I Were King".

MUITO BONS!

"Operation: MindCrime 2" (2005) - nota 09 
"Queensryche EP" (1983) - nota 08 

BONS!

"Hear in the Now Frontier" (1997) - nota 07
"Q2K" (1999) - nota 07
'Tribe" (2003) - nota 06

CUIDADO!

"Take Cover" (2007) - nota 05

ESQUEÇA!

"Dedicated to Chaos" - (2011) - xx
Geoff Tate´s Queensrÿche - "Frequence Unknow" (2013) - xx


==========================
(Editor / Redator / Músico)



Comentários
0 Comentários