1 de novembro de 2016

[Resenha] METAL CHURCH - "XI" (2016)


Neste ano estive ouvindo muitas bandas "diferentes", fora dos meus habituais nomes. Na verdade, de uns anos pra cá, depois que comecei a resenhar com mais frequência, tive um interesse maior em sair de minha zona de conforto. O resultado disso, é que venho "(re)descobrindo" muitas bandas que até não dava muita bola, que ouvia de longe. Uma delas é o METAL CHURCH, que sempre me deparei com algum som ou outro no decorrer da minha história, afinal, os caras estão aí desde 1984 (primeiro lançamento), porém, nunca tiveram a divulgação e alcance de grandes medalhões.

Então me deparo com o lançamento de "XI", obviamente o 11º lançamento do grupo americano, que já teve em sua história, 2 períodos de hiato (de + ou - 4 anos cada um) e que agora conta com o retorno de seu 2º vocalista (a banda teve 5 vozes até agora), MIKE HOWE. Mesmo assim, KURDT VANDERHOOF continua sendo o único membro remanescente da formação original.

Falando do álbum, o que temos em "XI" é uma verdadeira aula de metal tradicional, com muita, mas muita pegada de anos 80, porém com o peso e o tempero dos anos 2000. Sem contar que a produção é primorosa, como deve ser, com um bom gosto ímpar nas composições e nos timbres.

Destaques

Não há uma única música ruim neste álbum. Porém, a trinca que abre o álbum "Reset", "Killing Your Time" e "No Tomorrow", são 3 das melhores músicas lançadas neste ano. Cada uma possui uma característica distinta, por exemplo a primeira (Reset) é bem anos 80 e mais puxada para o thrash metal, mas com uma certa influência do MAIDEN.

Mantendo o pique e a referência, temos a faixa 2, que cai um pouco o andamento mas ainda se mantém rápida. Destaque para a voz alta e rasgada de MIKE - algo entre Udo (U.D.O) e Lawless (W.a.s.p.) - que da um punch muito legal ao som e também ao fodástico refrão.

Já a faixa 3 (No Tomorrow) é mais cadenciada - puxando um estilo mais Accept -. Ela começa com um riff de violão para depois entrar a banda arregaçando em um ritmo galopante e cadenciado. É aquele tipo de som para ligar as estrobos e girar a cabeleira como se não houvesse amanhã. Um som extremamente emocionante.  Confira o clipe:



"Signal Path" é mais hard - lembra muito W.a.s.p. e Twisted Sister -, com um refrão grudento e ritmo "dançante". É outro grande momento do álbum.

Mas é em "Shadow" que o poderoso baixo de STEVE UNGER tem vez. Os riffs de guitarras também são um atrativo a parte. Esse som meio arrastado possui um groove muito cativante. O tipo de som para se ouvir em um playlist de estrada.

E na mesma linha desta, - praticamente com a mesma estrutura ritmica - temos a faixa bônus do álbum, "Fan the Fire". Um dos melhores riffs e refrão do álbum!

Realmente, o METAL CHURCH em surpreendeu um um trabalho digno de figurar em minha lista do melhores do ano logo no topo. "XI" é sem dúvida um dos melhores lançamento do heavy metal mundial nos últimos tempos mas, com toda certeza, e pelo o que a história nos conta, será apenas mais um a ser subestimado, pelo que percebo. Agradável e empolgante, vale muito a pena. Recomendado!!

NOTA - 9,5
===========================
METAL CHURCH - "XI" (2016)
tracklist
01. Reset
02. Killing Your Time
03. No Tomorrow
04. Signal Path
05. Sky Falls In
06. Needle & Suture
07. Shadow
08. Blow Your Mind
09. Soul Eating Machine
10. It Waits
11. Suffer Fools
12. Fan the Fire (Bonus)

Line-up
Mike Howe - voz
Kurdt Vanderhoof - guitarra
Rick Van Zandt - guitarra
Steve Unger - baixo
Jeff Plate - bateria



==========================
(Editor / Redator / Músico)



Comentários
0 Comentários