16 de janeiro de 2017

[Resenha] ATROPINA - "Porões das Luxúrias" (2016)


A banda ATROPINA, muito conhecida aqui na região da serra gaúcha, já que somam mais de 20 anos de estrada - com um período de hiato - está lançando seu terceiro álbum full, o "Porões das Luxúrias" (dez/2016). A sonoridade da banda é basicamente Death Metal mas flerta com o Black Metal em alguns momentos e passagens. As letras são cantadas em nossa língua pátria e, como o vocal de MURILO ROCHA é um gutural "agudo", quase screaming, você consegue acompanhar e entender tudo direitinho.

A produção do álbum é muito boa, com tudo soando no lugar certo, limpo e preciso. Os responsáveis são a própria banda sob o comando de ERNANI SAVARIS - que também fez a mixagem e masterização - no Soundstorm Studios de Bento Gonçalves/RS (a banda é de Teutônia/RS). A banda soa pesada, com ótimas performances pessoais, como as guitarras providenciais e bem entrosadas de FERNANDO MULLER e ALEX ALVES, o baixo poderoso e CLEOMAR SCHMITZHAUS, sem falar na "cavalisse" de MATHEUS PEROTTI, um dos melhores bateristas que temos no RS. O cara dá um show à parte em todo o trabalho com linhas complexas e criativas, sem contar a pegada dos nos bumbos, que é impressionante.

"Degeneradas Civilizações" já começa com a porradaria comendo solta sustentada por uma cama de acordes sombrios que acompanhando toda composição, já o instrumental de "Prazer Santificado" nos remete ao Thrash Metal dos primórdios -  a introdução lembra muito Slayer - mas com toda a influência mais moderna. Em "Decadência Irreversível" temos uma introdução apoteótica para depois a banda entrar com um ritmo digno de "quebra pescoço", ela é uma das melhores do álbum, com muitas mudanças de ritmos e bem melódica.

A quebradeira infernal volta em "Cálice Blasfêmico", que deixo abaixo o lyric video para ter uma ideia do poder de fogo do ATROPINA:



Mas talvez a melhor do álbum seja "Lento Suicído", ao menos para os meus ouvidos. Ela é a mais complexa e melódica do álbum. Os riffs são surpreendentes e imprevisíveis, com várias mudanças e harmonias, sem falar na bateria de PEROTTI que, particularmente, fez algo espetacular aqui.

O ano começa bem, com um álbum como esse - podemos considerar de 2017 - que pra mim já figura entre os ótimos lançamentos recentes. "Porões das Luxúrias" só confirma que o ATROPINA é uma das maiores bandas de metal extremo da atualidade, não só no RS, mas no Brasil. Faixas bem arranjadas, pensadas, passando segurança e sendo convincente a cada compasso. Se você não os ouviu ainda, corre!! Ouça!! Ficará seguramente impressionado com a qualidade e poder de fogo desta banda. Recomendadíssimo!!!

NOTA - 9,0
=========================
ATROPINA - "Porões da Luxúria" (2016)
tracklist
01. Divino Aborto
02. Degeneradas Civilizações
03. Prazer Santificado
04. Porões das Luxúrias
05. Aflição Final
06. Decadência Irreversível
07. Cálice Blasfêmico
08. Cordas em Sangue
09. Lento Suicídio
10. Funeral Eterno
11. Santos de porcelana

line-up
Murillo Rocha - voz
Fernando Muller - guitarra
Alex Alves - guitarra, voz
Cleomar Schmitzhaus - baixo
Mateus Perotti - bateria

Links Relacionados
FACEBOOK
e-mail: atropinabanda@gmail.com



==========================
(Editor / Redator / Músico)






Comentários
0 Comentários