22 de março de 2019

1989 - Grandes álbuns que fazem 30 anos em 2019

Confere aí uma lista dos principais álbuns que estão fazendo seu 30º aniversário.




ANNIHILATOR - Alice in Hell

Clássico álbum de Heavy/Trash metal, este é o primeiro álbum da banda e traz ao mundo o incrível guitarrista Jeff Waters, um dos maiores instrumentistas do metal e um dos melhores guitarristas do estilo. Ele que faz um trabalho brilhante e memorável neste álbum, com linhas e solos de extremo bom gosto e técnica. 

Podemos destacar também a excelente pegada nos vocais de Randy Rampage (*1960-†2018), que alterna linhas melódicas com a agressividade proporcionando ótimos momentos, como na música clássica título "Alice in Hell", além de 'W.T.V.D.", "Wicked Mystic", "Ligeia" e a grande performance dos guitarristas na instrumental "Schizos (Are Never Alone) Parts I & II".

BLACK SABBATH - Headless Cross

Quem não lembra da icônica introdução da faixa título criada e executada pelo saudoso Cozy Powell (*1947-†1998)? É um álbum pesado, com uma pegada meio Hard Rock e, além dos grandes riffs de Tony Iommi, temos ainda a voz incrível de Tony Martin. Destaques também para "Devil and Daughter", "Cloak and Dagger" e "Black Moon".




EXODUS - Fabulous Disaster

Este é outro grande clássico do EXODUS. É um álbum que alterna o bom e velho Trash Metalc om músicas mais cadenciadas e técnicas. Como vemos em músicas como "The Last Act of Defiance", "Fabulous Disaster", "Corruption" e as mais levadas como "The Toxic Waltz", "Cajun Hell" e "Overdose" que lembra muito Accept.





FAITH NO MORE - The Real Thing

Nunca fui fã da banda, mas tiro o chapéu para este álbum. Lembro inclusive de ter visto um show em VHS no começo dos anos 90`, que devia ser da turnê deste álbum, onde eles tocavam "War Pigs" do Black Sabbath com total maestria, além da clássica "Epic", as duas presentes neste álbum ("You Fat Bastards: Live at the Brixton Academy" eu acho). 

"The Real Thing" é um álbum pesado e ao mesmo tempo cheio de grooves e feeling, graças ao trabalho do excêntrico guitarrista Jim Martin e o baixo funkeado de Billy Gould.

Outros ótimos sons deste disco são "From Out of Nowhere", "Falling to Pieces", a pesada "Surprise! You´re Dead", "Zombies Eaters", "The Real Thing" e a instrumental "Woodpecker Froms Mars".


FATES WARNING - Perfect Symmetry

5º álbum da banda e 2º na voz do icônico Ray Alder é considerado por muitos o melhor álbum da banda e também, a consolidação do novo direcionamento da banda e também o embrião do viria ser o chamado Prog Metal, perpetuado pelas bandas Dream Theater e Symphony X. Também marca a entrada do incrível e influente baterista Mark Zonder e conta com os teclados de ninguém menos que Kevin Moore (que fazia parte do Dream Theater já nesta época).

Dentre os destaques temos a faixa de abertura "Part of the Machine", a clássica "Through Differente Eyes", além da quebradeira de "Nothing Left to Say".


KING DIAMOND - Conspiracy

Neste álbum temos a continuação da estória contada no álbum "Them". Mais um grande e clássico trabalho de uma das vozes mais peculiares do Heavy Metal. Aqui temos muitas porradas, como "Sleepers Nights" (Uma das melhores de KD), "Lies", "Victimized" e "Cremation" onde temos os excelentes e criativos riffs de guitarras da dupla Andy La Roque e Pete Blakk.

A História:
King passara 18 anos longe de Amon. Durante 9 anos ficara internado na clínica do Dr. Landau, outros 9 ficou morando em algum lugar sozinho.

LEGIÃO URBANA - As Quatro Estações

Considerado a obra prima do LEGIÃO URBANA, este álbum é o mais bem produzido da discografia e também o maior sucesso de vendas. Nele temos muitos Hits, como "Há Tempos", "Pais e Filhos", "Quando o Sol Bater na Janela do Seu Quarto", "Monte Castelo", "Meninos e Meninas"... enfim, o álbum inteiro é simplesmente fantástico. 




RAMONES - Brain Drain

O álbum de maior sucesso da banda marca também o último registro do baixista Dee Dee Ramone com o grupo. Aqui, tardiamente, a banda alcançava o auge do sucesso, graças a música "Pet Sematary", que virou um Hit exaustivamente tocado nas rádio, festas, bailes e etc..., tudo isso por ter feito parte da trilha sonora do Filme "Cemitério Maldito" de Stephen King (fã declarado dos Ramones). Outros destaques são a também as clássicas "I Believe in Miracles" e "Merry Christmas (I Don't Want To Fight Tonight)" e a pesadassa "Don´t Bust My Chops".


RUSH - A Show of Hands

Quem tem a minha idade presenciou o estardalhaço que este álbum fez na época. Lembro de conhecer este álbum 1 ano depois de seu lançamento através da fita VHS e fiquei simplesmente embasbacado com o show! Além de toda a performance espetacular do maior power trio ds história do Rock, aqui temos, talvez, o mais lendário e icônico solo de bateria de todos os tempos, protagonizado pelo genial Neal Peart, na faixa "YYZ". Vale ressaltar que a versão do vídeo tem mais músicas do que a versão em CD e não tem esse solo...


SEPULTURA - Beneath Remains

A banda alcançava sua maturidade musical neste álbum e começava a sua grande jornada na conquista do mundo. O trampo tem um instrumental coeso, sólido e uma produção muito além do que uma banda brasileira podia conseguir na época, graças a assinatura com a gravadora Roadrunner Records, conquistada através do grande sucesso entre os americanos com o álbum "Schizophrenia". 

"Beneath Remains" chegou a ser comparado a "Reign in Blood" do Slayer, tamanha a qualidade apresentada pelo grupo. Neste álbum temos a clássica "Inner Self" que anos mais tarde ganhou vídeoclipe, além das destruidoras "Hungry", "Lobotomy" e "Sarcastic Exixtence". Um clássico do Metal brasileiro.


THE CULT  - Sonic Temple

Outro grande clássico do Rock/Hard Rock. O álbum traz os Hits "Sun King" e "Fire Woman" (a segunda música mais tocada non Spotify do grupo com quase 13 Milhões de audições) e tem toda aquela vibe oitentista ao estilo KISS e Mötley Crue. 

Uma curiosidade sobre este álbum é que, quem gravou as demos do álbum foi Eric Singer (KISS), depois, uma nova demo foi gravada com o Bob Rock, para depois o baterista Mickey Curry gravar as versões finais.


VIPER - Theater of Fate

Este é segundo álbum da banda e também um clássico do Metal brasileiro. Por que? Oras... Já ouviram falar em André Matos? Pois bem, esta foi a primeira banda do vocalista antes de sua carreira decolar no Angra. Quem não lembra de "Living for the Night", reverenciada até hoje pelos bangers brasileiros e pelo próprio André? 

Há também a porrada "A Cry From the Edge", além de "Moonlight" e "At Least a Chance" como grandes destaques. No álbum seguinte quem assume os vocais é o baixista Pit Passarell.





Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário