[Crítica] SUNROAD - ABSENS - ÍRA

Confira 3 banda brasileiras neste combo de resenhas.





SUNROAD - Heatstrokes
Lançamento: 2019 / Estado: Goiás

A veterana banda brasileira de Hard Rock lança em 2020 seu 6º álbum de estúdio e traz novamente aos ouvintes todo o peso e riffera característicos dos álbuns anteriores.  Contendo 10 faixas, “Heatstrokes” foi gravado nos estúdios Musik e Drive, ambos em Goiânia/GO, e foi produzido por Fred Mika e Netto Mello. Já digo que não está uma coisa de 1º Mundo, mas está muito bem gravado e limpo, com bastante peso, bons timbres e bem mixado. 

O que mais chama a atenção no som do SUNROAD, já nos primeiros acordes, são os Riffs! São muito bem construídos, criativos e de muito bom gosto. Você consegue perceber e quase visualizar Mayck Vieira (guitarra) e Van Alexandre (baixo) se divertido enquanto tocam, são levadas gostosas de se ouvir, imagina tocar. A cozinha também é muito boa, apesar do baixo estar meio apagado na mixagem. Já a voz tem altos e baixos. Na verdade, o vocalista tem um ótimos timbre e um alcance muito bom, lembrando Sebastian Bach em alguns momentos, porém, a voz de André Adonis soa melhor nos momentos mais limpos e médios e não tão legais quando há agudos com drives. 

Pra quem curte um Hard Rock pesado e com bastante pegada, SUNROAD é uma ótima banda brasuca para estar acompanhando. Aliás, no momento que faço esta resenha, durante minhas pesquisas, descobri que o grupo está para lançar mais um trabalho. Ficaremo no aguardo.

Destaques:
"Mind the Gap", "Given and Taken", "Screaming Ghosts", "Heatstrokes" e "Spellbound Age"

NOTA - 6,5




===========================================



ABSENS - Martyr Part I: Ignite - EP
Lançamento: 2020 / Estado: Rio Grande do Sul

O som praticado pelos gaúchos do ABSENS é um Metal Progressivo bem pesado e técnico com muitos flertes ao Death Metal, inclusive, com adição de linhas vocais guturais e levadas extremas, influência clara de OPETH. E falando nos arranjos, como se trata de ProgMetal, obviamente que não faltam passagens extremamente intrincadas, linhas absurdamente técnicas e muitas harmonizações.

Além da banda em si ser ótima, com músicos de alto nível técnico, temos ainda a participação especialíssima do grandioso Tiago Masseti (Daydream XI, Kingdon North) numa performance de arrepiar. Você pode conferir no vídeo abaixo.

Segundo a banda, o EP traz a primeira parte da saga pós-apocalíptica Martyr, sob o conceito de "uma narrativa sobre sacrifícios em uma sociedade corrompida", "Cada música foi esculpida para refletir o que momentos diferentes da história pedem, o que comporta tanto músicas intensas do início ao fim assim como músicas que não precisam de riffs e guitarras pesadas". "O enredo da história é centrado em dois personagens, um representativo de cada facção. E ao longo das músicas percebe-se a revolta do personagem e seu desejo de mudar essa situação, mas tal mudança não é possível sem grandes sacrifícios. “Martyr Part I: Ignite” explora a execução de um plano revolucionário e os sentimentos dos personagens neste contexto".

Bom, já deu pra sentir a vibe das 4 faixas que compõem este excelente EP. Não vou destacar nenhuma aqui, porque as 4 são ótimas.

NOTA - 9,5



===========================================

IRA - Ira
Lançamento: 2020 / Estado: São Paulo

Depois de 13 anos do último álbum de estúdio da banda, com idas e vindas, a icônica e veterana banda do Rock Nacional solta seu novo lançamento e impressiona pela qualidade do material. 

Intitulado como apenas "Ira!", o álbum traz uma banda praticando um Rock n Roll "maduro" e contido, com muitos arranjos acústicos e semi-acústicos e letras bem cativantes e inteligentes. Até nos momentos mais agressivos do álbum, o peso da guitarra de Edgar Scandurra é tímido, porém, na medida certa para cada canção. 

Destaco também a voz de Nasi, que está bem melhor que nos últimos anos. Claro, ele nunca foi um cantor de notas altas, de "cantar na lage", mas, devido aos problemas de saúde, que a maioria dos fãs sabem, e com seu recente tratamento, a evolução é nitidamente notada. Aliás, a vibe de todo trabalho parece mais leve e amigável depois que as diferenças foram resolvidas.

Vejo "Ira" como uma ótima redenção a tudo que a banda passou nestes últimos 13 anos e também o vislumbre no horizonte de uma das maiores e melhores bandas do Rock Nacional das antigas ainda em atividade. Vida longa ao IRA!

Destaques:
"O Amor Também Faz Errar", "Respostas", "Você Me Toca", "Chuto Pedras e Assobio" e "O Homem Cordial Morreu"

NOTA - 8,5




NE: Como chego a nota final aos álbuns?
Primeiramente dou uma nota a cada faixa e o resultado é a média destas notas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário