[Resenha] NO ONE SPOKE - Nine Mirrors - 2021

NOTA9,0/10


NO ONE SPOKE - Nine Mirrors - 2021
Lançamento: 26.03 / País: Brasil 

A banda catarinense NO ONE SPOKE enfim está lançando seu debut álbum! Depois de dois singles lançados nos últimos dois anos, o "Sigh" e "Milonga Para Las Reinas", que já impressionaram bastante, agora podemos apreciar “Nine Mirrors” em sua forma íntegra. O álbum conta com nove faixas, sendo uma delas o cover para “Rainbow in the Dark”, que contou com a participação do baixista Rudy Sarzo, (ex-DIO). O CD foi gravado e mixado no The Magic Place Studio, em Florianópolis/SC por Renato Pimentel e teve pré-produção do baterista Gabriel Porto.

O estilo do NO ONE SPOKE é bem diferenciado do que normalmente ouvimos por aí, principalmente no Brasil, apesar da fusão com o Erudito ser muito comum no Heavy Metal. Temos o peso das guitarras de André Medeiros, que faz ótimos solos também, demonstrando dominar muito bem suas técnicas, a base sustentada pelo baixista Artur Cipriani acompanhado pela "cama" harmoniosa do tecladista Thiago Gonçalves e a levada precisa de Gabriel Porto, ou seja, a banda é muito bem servida de ótimos músicos.

Porém e, obviamente, os destaques e diferenciais da banda recaem na violista Iva Giracca e na formidável vocalista Carla Domingues. Quanto a Iva, suas frases barrocas enriquecem as faixas, dando aquele acabamento rústico a uma bela arte contemporânea, essa é a sensação. Apenas acho que deveria ter ganho um pouco mais de destaque na produção do que já tem. O violino fica meio escondido em muitas passagens em meio a avalanche instrumental.

Carla Domingues, só posso dizer que é uma das melhores e mais lindas vozes do Brasil da atualidade. A acompanho desde os tempos de M26 e ENARMONIKA, a segunda, uma ótima banda e que acredito ter dado origem ao NO ONE SPOKE. E pra quem acompanha o Heavynroll, Carla já foi escolhida pelos nossos leitores como a Melhor Vocal Feminino por dois anos seguidos, em 2014 e 2015, e o mais legal disso é acompanhar a evolução técnica e artística de uma pessoa tão talentosa. Em "Nine Mirrors" Carla mostra toda a sua voz imponente e dá uma verdadeira aula de bom gosto. Ela é uma soprano profissional e com um alcance absurdo, mesmo assim, não abusa dos vocais líricos, encaixando-os nos momentos certos e tornando a audição fluída e agradável, afinal, sua voz plena já é sensacional. Essa mulher deveria estar cantando, ou ao menos, participando de alguma Opera Metal, ao estilo Ayreon ou até mesmo no Souslpell.

Enfim, depois de ouvir inúmeras vezes o álbum, meus destaques ficam por conta das seguintes faixas: 

"Blue Way" - Uma faixa semiacústica, quase uma balada pesada. Além de uma linda linha vocal principal, possui um refrão forte, lembra algo mais renascentista. Tem ótimas linhas de piano/teclados. Iva ganha um certo destaque com frases inspiradas em Vivaldi. (E é aqui que senti falta de um pouco mais de volume no seu violino, a produção podia ter valorizado mais)

"Fear of Regret" - Ela começa calma, valorizando Carla e Iva com o acompanhamento do piano. Depois ela fica pesada e quebrada, com Gabriel Porto acompanhando as sincopadas das guitarras. O destaque nesta faixa fica por contra da passagem instrumental na metade da música, onde temos, após um belo solo de guitarra, frases de violino e piano acompanhados por uma base instrumental quebrada em um momento progressivo.

"Rise Again" - É mais "moderninha" e rápida do álbum. Um pouco mais progressiva também que o resto das faixas, ela lembra um pouco o que o NIGHTWISH tem feito nos últimos álbuns. Além da voz sensacional de Carla Domingues, os violinos de Iva são mais valorizados nas bases. Sem dúvidas, a melhor faixa. Essa merece um videoclipe.

"Milonga Para Las Reinas" - Bom, essa dispensa apresentações! Cantada em espanhol e maior parte da letra, este single foi lançado do Dia Internacional da Mulher de 2020 com videoclipe e, pra mim, é uma das melhores músicas já laçadas no Brasil. Veja o videoclipe AQUI.

E claro que fica a menção honrosa a versão de "Rainbow in the Dark" da banda DIO. Tirando a introdução de piano e voz, a banda se manteve fiel a versão original, porém, com adições de violinos e vocais líricos nas frases de teclados. E é claro, levando em conta que temos a participação do próprio Rudy Sarzo no baixo.

A única ressalva para "Nine Mirrors" é o fato de ser um álbum curto. Apesar das 9 faixa, possui apenas 47 minutos de duração e deixa uma sensação de "quero mais", em contrapartida, tive vontade de apertar no "repeat", e isso é ótimo! Quando você escuta um álbum como esse e sente vontade de ouvi-lo novamente logo em seguida, quer dizer que a banda fez um excelente trabalho. Que venham outros e logo!




Tracklist
01. Bridge to Sanity
02. Blue Way
03. Fear of Regret
04. Sigh
05. Rise Again
06. Trust Yourself
07. Final Breath
08. Milonga para las Reinas
09. Rainbow in the Dark (Dio Cover)

Lineup
Carla Domingues – vocais
Thiago Gonçalves – teclado
Gabriel Porto – bateria
Iva Giracca – violino
André Medeiros – guitarra
Artur Cipriani – baixo

Nenhum comentário:

Postar um comentário